Fale com a ABN

Facebook

Home > Perguntas Frequentes

Como reconhecer as porfirias?

R: Como reconhecer as porfirias? O comprometimento neurológico nas porfirias pode ser multifacetado, incluído distúrbios cognitivos, crises convulsivas, dores abdominais agudas que podem levar o paciente a uma laparotomia exploratória. As neuropatias periféricas, particularmente a polineuropatia porfírica constituem o comprometimento mais freqüentes do sistema nervoso. Asporfirias são raras, mas existem. Lembre-se delas! Para saber como reconhecê-las, acesse www.porfiria.org.br Associação Brasileira de Porfiria - ABRAPO

O que é a esclerose múltipla?

R: A esclerose múltipla é uma doença inflamatória, que afeta a capa de mielina responsável pela condução nervosa, reconhecida como a substância branca do sistema nervoso. A doença se caracteriza por um acometimento em diferentes partes do cérebro de da medula espinal e também em diferentes momentos, e assim é denominada de disseminação no tempo e no espaço, condição pela qual se estabelece o diagnóstico definitivo. Os sinais e sintomas não podem ser explicados por uma única lesão e o seu curso clínico é caracterizado mais frequentemente por surtos, seguidos de períodos de remissões. Não é uma doença fatal e muitos pacientes levam uma vida normal. Porém a presença de novos sintomas e a somatória de antigos sintomas, além da evolução incerta, pode interferir de varias maneiras na vida do paciente.Apesar de existirem muitas dúvidas sobre a origem da esclerose múltipla, muito já se sabe sobre a imunologia da doença, o que tem possibilitado a descobertade medicamentos que controlam sua evolução e com certeza em breve, o seu completo domínio. Paulo Diniz da Gama Professor de Neurologia da Faculdade de Medicinada PUC-SP - campus Sorocaba Responsável pelo Centro de Referência para o Tratamento da Esclerose Múltipla do Conjunto Hospitalar de Sorocaba inst.cerebro@globo.com

O que é Doença de Parkinson (DP)?

R: O que é Doença de Parkinson (DP)? A Doença de Parkinson é uma doença degenerativa do sistema nervoso central, crônica e progressiva. É causada por uma diminuição intensa da produção de dopamina, que é um neurotransmissor (substância química que ajuda na transmissão de mensagens entre as células nervosas). A dopamina ajuda na realização dos movimentos voluntários do corpo de forma automática, ou seja, não precisamos pensar em cada movimento que nossos músculos realizam, graças à presença dessa substância em nossos cérebros. Na falta dela, particularmente numa pequena região encefálica chamada substância negra, o controle motor do indivíduo é perdido, ocasionando sinais e sintomas característicos.

O que fazer para ter uma noite bem dormida?

R: Doença do sono O que fazer para ter uma noite bem dormida? Chegar em casa pelo menos três horas antes do horário de dormir. Deixar bem claro para você mesmo que seu dia de trabalho acabou pelo menos duas horas antes de dormir, quando então deverá tomar banho, ler e relaxar. Não se deve ir para a cama sem sono. Não se deve usar a cama para planejar o dia seguinte, ler, assistir TV. A atividade sexual não traz problemas. Ter sempre um horário regular para se deitar e levantar. Evitar uso de alimentos excitantes ou comer muito próximo ao horário de dormir. Se não pegar no sono após 15 ou 30 minutos, levante-se e vá para outro recinto ler. Evitar assistir TV, principalmente programas muito excitantes. Ao acordar, deixe a luz do sol entrar em seu quarto. Não realizar exercícios intensos próximo ao horário de dormir. Não ingerir álcool após as 18:00 horas. Manter as regras inclusive nos finais de semana. Se estiver roncando, mesmo que lhe pareça o contrário, você pode não estar dormindo bem. Talvez você precise fazer um exame para analisar seu sono. Procure seu neurologista.

Agenda

Cursos e Eventos

+

Destaques

+
  • Pesquisa: Dor de Cabeça. Uma iniciativa da ABN em parceria com a Sociedade Brasileira de Cefaleia

    Clique Aqui

  • PESQUISA ABN - SONO E TRÂNSITO

    Clique aqui

  • COMUNICADO NOVARTIS

    Saiba mais

  • EDITAL EXAME NACIONAL PARA OBTENÇÃO DO CERTIFICADO DE ÁREA DE ATUAÇÃO EM NEUROLOGIA PEDIÁTRICA

    Mais informações